Regulamento
2015:
 
Arquivo PDF - Regulamento  Federação Internacional de Canoagem (Inglês)
 
 
Anteriores:
 
2011:
 
Arquivo PDF - Regulamento Federação Internacional de Canoagem (Inglês)
 
_______________________________________________________________________________________________________
 
REGRAS GERAIS
 
1. Objetivo
O objetivo da competição de Canoagem de Velocidade em Águas Calmas é correr numa raia claramente definida e desobstruída no menor tempo possível
 
2. Competições
2.1 Todas as competições anunciadas devem ser realizadas de acordo com os regulamentos da CBCa. As competições organizadas pelas federações ou seus clubes serão consideradas nacionais se forem convidados a participar competidores de outras entidades e federações.
 
2.1.1 Estas competições devem ser controladas por pelo menos um árbitro reconhecido pela CBCa.
 
2.2.1 Os barcos oficiais reconhecidos pela CBCa são os seguintes:
Para homens: K1, K2, K4, C1, C2 e C4
Para mulheres: K1, K2, K4, C1 e C2
Para categoria infantil (masculino e feminino): K1 escola
Para atletas da paracanoagem: K1 viper e V1
 
2.2.2 As distâncias oficiais reconhecidas pela CBCa são as seguintes:
1000, 500, 200 e 5000 metros 
OBS: as combinações de barcos/distância/categoria de idade disputadas no Campeonato Brasileiro são anunciadas no início da temporada
 
2.3. As categorias de idade reconhecidas pela CBCa são as seguintes, de acordo com o ano de nascimento (a partir de 1º de janeiro os atletas mudam de categoria, se for o caso):
Infantil - o atleta pertence a esta categoria até o ano em que completa 12 anos de idade.
Menor - o atleta pertence a esta categoria nos anos em que completa 13 ou 14 anos de idade.
Cadete - o atleta pertence a esta categoria nos anos em que completa 15 ou 16 anos de idade.
Júnior - o atleta pertence a esta categoria nos anos em que completa 17 ou 18 anos de idade.
Sênior - o atleta pertence a esta categoria a partir do ano em que completa 19 anos de idade até o ano em que completa 34 anos de idade.
Master - o atleta pertence a esta categoria a partir do ano em que completa 35 anos de idade (é facultado ao atleta Master continuar competindo na categoria Sênior, mesmo depois de completados 35 anos de idade).
Master B - o atleta pertence a esta categoria a partir do ano em que completa 45 anos de idade (é facultado ao atleta Master B continuar competindo na categoria Master A ou Sênior, mesmo depois de completados 45 anos de idade).
 
2.4 Paracanoagem
Os atletas elegíveis para competirem nas provas de Paracanoagem deverão passar por uma classificação funcional oficial e poderão ser classificados nas categorias abaixo listadas:
A - masculino e feminino
TA - masculino e feminino
LTA – masculino e feminino
 
3. Competidores
3.1 Somente membros dos clubes filiados à Confederação Brasileira de Canoagem, têm o direito de participar de competições nacionais. Os Clubes são responsáveis por garantir que seus atletas apresentem as condições físicas e técnicas adequadas para participar dos campeonatos.
 
3.2 Se um competidor é membro da federação de um país estrangeiro onde ele é domiciliado, ele poderá participar de competições no Brasil, representando sua entidade, desde que tenha permissão de sua federação de origem
 
3.2.1 Se um competidor estiver domiciliado no Brasil por dois anos ou mais, torna-se desnecessária a obtenção de permissão da federação do país de origem.
 
3.2.2 Se um competidor estiver domiciliado no Brasil por um período inferior a dois anos, torna-se necessária a permissão de sua federação de origem, salvo nos seguintes casos: matrimônio com brasileiro (a), vínculo empregatício no Brasil ou matrícula numa entidade de ensino reconhecida pelo MEC
 
3.2.3 Todo competidor deve ter habilidade suficiente para levar o seu barco até a linha de largada, alinhá-lo a contento, seguindo as instruções do Juiz Alinhador e, uma vez dada a largada, levar a sua embarcação ao centro da raia delimitada para si até a linha de chegada.
 
3.2.4 Todo competidor deve saber nadar e no caso de deficiência nesta habilidade, deve vestir colete salva-vidas.
 
3.2.5 Todo competidor é responsável por apresentar o seu material em condições adequadas para a competição no horário certo.
 
3.2.6 Todo competidor deve utilizar o uniforme de seu clube. No caso de embarcação múltipla (K2, K4, C2 ou C4) é obrigatório que todos os atletas utilizem uniformes iguais (camisetas e bermudas, ou macaquinhos).
 
3.2.7 Todo competidor deve levar para o Campeonato um documento de identidade oficial, com foto.
 
3.2.8 Todo competidor, seu técnico e o chefe de equipe devem conhecer o regulamento da prova da qual irão participar.
 
3.2.9 O Chefe de Equipe é responsável pelo comportamento adequado de sua delegação durante o transcorrer do campeonato e nas dependências utilizadas para o evento. Atitudes antidesportivas e de indisciplina poderão ser punidas com advertência, desclassificação ou exclusão do atleta ou dirigente do evento em questão ou do campeonato como um todo, sendo facultada ainda a análise posterior da ocorrência pelo STJD.
 
4. Competições mistas
Competições mistas onde atletas do sexo masculino e feminino tomam parte, tanto no mesmo barco quanto disputando uma mesma prova, não são permitidas.
 
5. Definição do Calendário
Antes de 15 de Setembro de cada ano todas as entidades devem mandar o programa proposto de eventos para o ano subseqüente, com cópia para a Secretaria Geral e outra para o Superintendente do Comitê de Velocidade da CBCa.
 
II. REGRAS DE CONSTRUÇÃO
 
6. Limitações
6.1 Os barcos oficiais reconhecidos pela CBCa são os seguintes:
Barco K1, K2, K4, C1, C2, C4, K1 Escola, K1 viper e V1;
Comprimento máximo 520, 650, 1100, 520, 650, 900, 430, 520; 730
Peso mínimo 12, 18, 30, 16, 20, 30, 10, 12, 13
Largura mínima --, --, --, --, --, --, 49, 50, --
OBS: Todas as medidas são em cm e todos os pesos em kg.
 
6.1.1 Os barcos V1 são exclusivos da paracanoagem.
 
6.2 Barcos, acessórios e vestuário podem ter marcas registradas, símbolos de propaganda e palavras.
As linhas gerais para qualquer material publicitário colocado nas roupas e equipamentos dos atletas deve ser como se segue:
a) Todo material publicitário deve ser fixado de maneira a não interferir com a identificação dos competidores e não afetar o resultado da competição.
b) Não serão permitidas propagandas de cigarro ou bebidas alcoólicas
c) Qualquer barco, acessório ou peça do vestuário que não esteja de acordo com o acima especificado será vetado para uso durante uma competição.
d) As equipes são responsáveis pelo seu próprio equipamento.
 
7. Construção
7.1 Todos os tipos de materiais de construção são permitidos. As seções longitudinais e transversais do casco do caiaque e da canoa devem ser convexas, não interrompidas e rígidas em qualquer circunstância.
 
7.2 A construção da cobertura (deck) não pode ser mais alta, em nenhum ponto horizontal, do que o ponto mais alto da borda dianteira do anel do primeiro cockpit
 
7.3 Nenhum material estranho pode ser acrescentado ao barco para que dê ao competidor uma vantagem injusta.
 
7.3.1 O barco não pode possuir partes móveis (incluindo o banco e o finca-pés) que possam ser utilizadas para ajudar na propulsão do barco, dando ao competidor uma vantagem injusta
 
7.4 Todos os dispositivos eletro-eletrônicos são proibidos num barco durante a competição, aí incluindo-se:
- Bombas elétricas;
- Dispositivos de medição de velocidade;
- Medidores de deformação;
- Monitores cardíacos.
 
7.3 Caiaques
 
7.3.1 K1, K2 e K4 podem possuir leme, que deve estar colocado abaixo do casco
 
7.3.2 K1 Escola não pode possuir leme
 
7.3.3 O caiaque é desenhado para ser "sit in" e não "sit on"
 
7.4 Canoas
 
7.4.1 A canoa deve ser construída simetricamente em relação ao seu eixo longitudinal. Lemes ou quaisquer outros dispositivos direcionadores de curso não são permitidos.
 
7.4.2 As C1 e C2 devem ser inteiramente abertas. O comprimento mínimo da abertura deve ser de 280 cm e a largura do borda lateral pode ser de no máximo 5 cm ao longo de toda abertura definida. A
canoa pode ter no máximo três barras de esforço, com largura máxima de 7 cm cada.
 
7.4.3 A C4 deve ser inteiramente aberta. O comprimento mínimo da abertura deve ser de 390 cm e a largura do borda lateral pode ser de no máximo 6 cm ao longo de toda abertura definida. A canoa pode ter no máximo quatro barras de esforço, com largura máxima de 7 cm cada.
 
7.4.4 A V1 (paracanoagem) não pode possuir leme.
 
8. Controle dos barcos
8.1 O comprimento de um caiaque ou canoa deve ser medido entre as extremidades da proa e popa. Fitas de bico ou outras proteções da proa e popa, se existirem, devem ser incluídas. Qualquer leme que constitua uma continuação do comprimento do caiaque não deve ser incluída na medição.
 
8.2 Nenhuma alteração nas canoas ou caiaques é permitida após a inspeção dimensional e antes da competição.
 
8.3 Qualquer peça solta deve ser removida. Apoios permanentes para os joelhos fixados de maneira definitiva à superfície inferior e dispositivos de fixação de flutuadores que consistam de material absorvente a água devem ser secados totalmente quando da primeira pesagem antes da prova
 
8.4 Os primeiros barcos devem ser recontrolados imediatamente após a corrida (a quantidade é estipulada pelo Comitê de Competição)
Este item está condicionado às condições do Comitê Organizador.
 
III. ORGANIZAÇÃO DAS COMPETIÇÕES
 
9. Árbitros e Oficiais
9.1 As competições nacionais devem ser realizadas sob a supervisão dos seguintes árbitros:
Organizador Técnico;
Comitê de Competição;
Secretário(s) da Competição;
Árbitro(s) de Largada;
Alinhador(es);
Árbitro(s) de Percurso;
Árbitro(s) de Chegada;
Cronometrista(s);
Árbitro(s) de Pesagem
Controlador de embarque
Anunciador;
Assessor de Imprensa.
 
9.2 Se as circunstâncias permitirem, uma pessoa pode atuar em dois dos postos acima.
 
9.3 Pessoas não autorizadas não devem entrar na área dos árbitros a menos que o Comitê de Competição ou o Júri dêem permissão.
 
9.4 O Comitê de Competição deve:
a) Organizar a competição e supervisionar os preparativos;
b) Em caso de mau tempo ou outras circunstâncias que tornem impossível a realização das competições, adiar a competição e decidir quando ela pode ser realizada;
c) Ouvir os protestos que possam ser feitos e julgar quaisquer demandas que possam surgir;
d) Decidir sobre assuntos relativos a desqualificação em casos onde os regulamentos são desobedecidos durante a prova. Se um competidor for ferido durante uma bateria, o Comitê pode permitir que ele participe de outra bateria. A decisão do Comitê deve se basear nas Regras de Velocidade da CBCa. As penalidades conforme os estatutos da CBCa podem também ser impostas, isto é, desqualificação por um período maior do que o da competição em questão.
e) Antes que qualquer decisão seja tomada com respeito a uma alegada infração do regulamento, deve ser ouvida a opinião do árbitro responsável no momento e situação em que a infração foi dita ter sido cometida. O Comitê deve também procurar ouvir as opiniões de outros árbitros na prova, se é sentida a importância de esclarecer a infração cometida.
 
9.5 Deveres dos Árbitros
 
9.5.1 O Organizador Técnico deve supervisionar as corridas e ser responsável pela observância do programa e sem atrasos desnecessários. Ele deve informar pontualmente aos juizes o início de cada prova. Com a ajuda dos Controladores de Barcos, ele deve assegurar que o regulamento está sendo atendido no que se refere a medição de todos os barcos na prova. Ele deve se certificar que o Anunciador dê aos espectadores todas as informações necessárias sobre as corridas, tais como a ordem de largada, o nome de algum competidor que deixe de largar, e o resultado
 
9.5.2 O Secretário da Competição deve ser responsável pelo registro dos resultados e preparação da lista de vencedores. Ele deve manter arquivos dos protestos. Ele deve fornecer ao Assessor de Imprensa todas as informações necessárias sobre o desenrolar das provas e os resultados
 
9.5.3 O Árbitro de Largada decide sobre as questões da largada das provas e é o único responsável por decisões quanto a queima de largada. A sua decisão é final.
 
9.5.4 O Alinhador: seu dever é trazer os barcos para a linha de largada com o mínimo possível de atraso, verificar a roupa do competidor e o seu número nas costas (caso exista) e o número dos barcos. Quando todos os barcos estiverem alinhados ele deve notificar o juiz de largada levantando uma bandeira branca.
 
9.5.5 O Árbitro de Percurso deve observar para que durante a prova, as regras sejam atendidas. Se o regulamento é desrespeitado, o Árbitro de Percurso deve relatar a infração ao Árbitro Principal, que, por sua vez, deve levar a infração ao Comitê de Competição.
a) O Comitê de Competição deve decidir se algum dos competidores envolvidos deve ser desclassificado ou não. Se o Árbitro de Percurso tiver que relatar uma infração ao regulamento, ele deve levantar a bandeira vermelha após a prova e informar por escrito antes que a prova seguinte se inicie.
b) Nesse caso, o Comitê de Competição deve tornar pública sua decisão imediatamente e antes do anúncio do resultado da prova.
c) Se não houver infrações a relatar, o Árbitro de Percurso deve levantar a bandeira branca.
d) Em provas de 500 e 1000 metros, o Árbitro de Percurso deve seguir a prova num barco a motor. Em provas de 200 metros os árbitros de percurso colocam-se estacionários atrás das linhas de largada e chegada
e) O Árbitro de percurso deve permanecer desimpedido durante a prova. Ninguém além do árbitro e do piloto poderão permanecer no barco reservado para ele, a não ser que previamente autorizado pelo Organizador Técnico.
 
9.5.6 Os Árbitros de Chegada decidem a ordem na qual passaram os competidores na linha de chegada. Os árbitros devem se posicionar onde possam ver claramente todas as raias na linha de chegada.
a) Se os árbitros divergirem com relação a colocação de dois ou mais competidores na disputa, na ausência de equipamento para definição fotográfica, a decisão deve ser por maioria simples. Em caso de empate, o árbitro principal tem o voto de Minerva.
b) Quando se usa o dispositivo de definição fotográfica, o resultado determinado pelos árbitros de chegada deve ser comparado com ele, ficando a decisão para a definição fotográfica. Filmes de vídeo não são substitutos para definição fotográfica, caso esta esteja à disposição. A decisão dos árbitros é final.
 
9.5.7 Os cronometristas são responsáveis pelo registro dos tempos. Isto deve ser feito através de cronômetros.
a) Antes de cada competição, o Chefe de Cronometragem deve observar o bom funcionamento dos relógios e dividir o trabalho entre os cronometristas.
b) Ao final de cada prova, ele deve comparar os tempos oficiais com os de outros Cronometristas e informar imediatamente ao Secretário da Competição sobre eles. Cada prova deve ser cronometrada por pelo menos dois cronômetros. Se os cronômetros não registrarem o mesmo tempo, o mais longo (pior) deve ser tomado como correto. Os cronômetros devem ser acionados quando a fumaça da pistola de largada se tornar visível, ou quando ouvido no sistema de comunicação; não quando for ouvido o som do tiro. Podem ser usados cronometristas também como árbitros de chegada.
 
9.5.8 O Árbitro de Pesagem deve avaliar todos os barcos que irão tomar parte das provas. Se algum barco não preencher os requisitos estabelecidos nas regras 6 a 8, devem ser excluídos da competição.
 
9.5.9 O Controlador de Embarque é responsável por verificar que os atletas e barcos que estão entrando na água para competir estejam de acordo com as normas: Atletas - verificar documento de identidade (com foto), uniforme e numeral de corpo (se a organização fornecer); Barcos - numeral de raia.
a)Todos os atletas devem passar pelo Controlador de embarque ao entrarem na água rumo à largada de sua prova. Os atletas que não o fizerem estão sujeitos à desqualificação.
 
9.5.10 O Anunciador deve, sob as instruções do Organizador Técnico, anunciar a largada de cada prova, a ordem de largada e a posição dos competidores durante a corrida.
a) Após o final de cada prova ele anunciará os resultados.
 
9.5.11 O Assessor de Imprensa deve fornecer toda a informação necessária aos correspondentes da imprensa escrita, falada e televisionada, sobre as corridas e o seu desenrolar. Ele está autorizado, por isso, a buscar informações junto ao Árbitro Principal,que também deve obter para ele cópias dos resultados oficiais tão logo estejam disponíveis.
 
10. Árbitros Oficiais de Regata
10.1 Em Jogos Olímpicos, Campeonatos Mundiais e Campeonatos Continentais o Júri e todos os árbitros oficiais devem ser reconhecidos como Árbitros Oficiais de Regata Internacional, com certificado dentro da validade. Tal reconhecimento é dado pela FIC a pessoas que tenham sido aprovadas em exame.
 
10.2 Somente as Federações Nacionais têm o direito de indicar candidatos para este exame. As inscrições devem estar acompanhadas por uma taxa de 20 euros por candidato.
 
10.3 Os candidatos não devem ter menos de 25 anos de idade e não mais de 65 e ter no mínimo 5 anos de experiência como "Árbitro Oficial de Regata Nacional". Os nomes deverão ser encaminhados para o Secretário Geral da FIC e para o Presidente do Comitê de Velocidade pelo menos dois meses antes da data do exame.
 
10.4 Um Subcomitê da FIC consistindo de três membros que serão escolhidos periodicamente, fará o exame na ocasião de Jogos Olímpicos, Campeonatos Mundiais e Continentais. O exame será realizado em uma das três línguas oficiais da FIC e será baseado no conhecimento do Estatuto da FIC, das Regras de Velocidade e experiência prática em regatas. Se uma federação nacional solicitar exame em outra data, a Federação em questão cobrirá as despesas de transporte e hospedagem dos examinadores.
 
10.5 Os candidatos que forem reprovados uma vez podem inscrever-se para outro exame, mas não antes do ano seguinte. Os candidatos aprovados receberão uma carteira válida como Árbitro Oficial de Regata Internacional. A despesa de candidatos decorrentes do exame devem ser de responsabilidade da sua federação nacional.
 
11. Convites
11.1 Um convite para uma competição nacional deve conter a seguinte informação:
a) Hora e local da competição;
b) Características da(s) raia(s);
c) Classes e distâncias das provas;
d) Programa provisório de provas;
e) Se as provas serão em água parada ou corrente, a favor ou contra a correnteza, e profundidade mínima da água,
f) Valor da taxa de inscrição;
g) Endereço para onde deverão ser enviadas as taxas de inscrição;
h) Data limite para recebimento das inscrições. Esta data não pode ser anterior a 14 dias do primeiro dia da competição;
Tanto quanto possível a ordem das provas deve estar de acordo com os programas detalhados para Campeonatos Mundiais e Continentais para seniores e juniores;
 
12. Inscrições
12.1 Inscrições para uma competição nacional só podem ser feitas através da Entidade filiada, de acordo com os regulamentos fornecidos no convite, no sistema extranet da CBCa.
Uma inscrição deve conter sempre o seguinte:
a) O nome do clube ao qual pertence(m) o(s) competidor(es), assim como número de cadastro na CBCa;
b) As categorias e distâncias nas quais a equipe se propõe a competir;
c) Nome e sobrenome de cada competidor junto com a data e o ano de nascimento e nome do clube. Um competidor inscrito para um evento júnior num evento nacional não pode ter mais de 18 no anodurante o qual se realiza a regata. Antes da primeira prova o chefe de sua equipe deve entregar um documento comprobatório tal como passaporte, cédula de identidade ou similar, contendo fotografia,que confirme a idade do(a) competidor(a);
d) Detalhes semelhantes no que se refere a reservas, se houver;
e) Além das tripulações identificadas nominalmente, as entidades participantes podem inscrever substitutos em todas as provas, como se segue:
K1 e C1 - 1 pessoa;
K2 e C2 - 2 pessoas;
K4 e C4 - 4 pessoas.
Os substitutos podem ser colocados em qualquer dos barcos inscritos na prova em questão.
 
12.2 Uma inscrição deve ser feita da maneira especificada na circular do campeonato. Caso haja algum impedimento, o Superintendente da modalidade deve ser contatado diretamente antes do prazo final das inscrições.
 
12.3 Inscrições fora do prazo não serão aceitas
 
13. Aceitação de inscrições e programa
Os formulários de inscrição devem ser respondidos dentro do prazo limite de, até 24 horas antes da primeira prova da regata, o programa definitivo deve estar disponível na raia da regata, informando os nomes e entidades dos competidores e os resultados de sorteio das raias.
 
14. Alterações nas inscrições e desistências
14.1 A Entidade terá até 48 horas de antecedência do início da primeira prova do campeonato para cancelar numericamente uma embarcação. O não cumprimento deste item, acarretará na perda de 05 (cinco) pontos por embarcação não cancelada. Ou seja, a Entidade deverá comparecer para a largada, com a mesma quantidade de embarcações inscritas.
 
14.2 Qualquer competidor listado na inscrição final de sua entidade pode substituir qualquer outro no evento (respeitando a categoria de inscrição do atleta). Notificação das alterações nas inscrições devem ser feitas ao juiz principal na Reunião Técnica do evento, ou por escrito, no máximo, uma hora antes do início das provas da manhã ou tarde sendo aceitas alterações de no máximo 50% da tripulação (apenas nos barcos individuais é permitido a substituição de 100% da tripulação).
 
14.3 A retirada de uma inscrição é considerado final e não é permitida uma reinscrição da mesma tripulação.
 
14.4 Se o competidor não larga, e não tem uma justificativa aprovada pelo Comitê de Competição, ele será desqualificado da prova em questão e de todas as subseqüentes nas quais estiver inscrito. Um competidor que compareça atrasado à largada deverá ser considerado como tendo desistido voluntariamente e deverá ser desqualificado sob esta regra.
 
14.5 Taxas de inscrição não são reembolsáveis.
 
15. Alterações na seqüência dos eventos
A seqüência das provas bem como o intervalo entre elas, informados no convite, constituem o Programa Provisório que é restrito aos organizadores.
 
Na reunião de chefes de equipe é informado o Programa Definitivo, de acordo com as inscrições recebidas. Alterações no Programa Definitivo devem ser anunciadas pelo sistema de som e afixadas previamente para o conhecimento de todas as entidades.
 
16. Sinalizações
Tanto as linhas de largada como de chegada devem ser marcadas com bandeiras vermelhas nos pontos onde estas linhas interceptam os limites externos da raia.
 
17. Raia
17.1 Pelo menos 5 horas antes da largada das provas, a raia deve ser medida e marcada através de bandeiras claramente visíveis montadas em bóias.
 
17.2 A raia na largada deve permitir uma largura livre de pelo menos 5 metros para cada barco.
 
17.3 As linhas de largada e chegada devem estar em ângulo reto com a raia.
 
17.4 A linha de chegada deve ser pelo menos de 45 metros de comprimento e ser marcada por duas bóias. Os juizes de chegada devem estar colocados tão próximo quanto possível da linha de chegada.
 
17.5 Para corridas até 1000 metros, a raia deve ser reta e em uma só direção.
 
17.6 Para corridas de mais de 1000 metros, os pontos de retorno são permitidos.
 
17.7 Neste caso, as seguintes condições devem ser preenchidas, se possível.
a) A distância entre a linha de largada e a primeira bandeira do primeiro ponto de retorno (1ª perna aberta) deve ser reta e ter no máximo 1.850,50 metros;
b) A distância entre a última bandeira do primeiro ponto de retorno e a bandeira do segundo ponto de retorno (2ª perna) deve ser reta e ter no máximo 1750,50 metros;
c) A distância entre a última bandeira do segundo ponto de retorno e a primeira bandeira do terceiro ponto de retorno (3ª perna) deve ser no máximo de 500 metros;
d) As especificações para todas as outras pernas devem estar de acordo com o ponto "c". (Da 4ª a 12ª ou mais pernas);
e) O raio de cada retorno ou virada deve ser de pelo menos 40,5 metros;
f) Tanto a largada como o final da prova devem ser em frente da Torre de Chegada;
g) As bandeiras vermelhas na linha de chegada o mais para fora tanto quanto for possível de forma a obter a linha de chegada mais larga que seja viável;
 
18. Números pessoais e dos barcos
18.1 Todos os caiaques e canoas devem portar uma placa vertical, feita de material não transparente, marcada com algarismos pretos em fundo amarelo ou branco, indicando a raia correspondente.
Não será permitida a nenhuma embarcação a entrada na água para competir sem a placa com o numeral.
 
18.2 As placas devem ser colocadas na linha de centro longitudinal do convés de popa.
 
18.3 As placas devem ter 18X20 cm.
 
18.4 Os números pessoais, caso sejam fornecidos pelo Comitê Organizador, devem ser colocados nas costas do competidor (no caso de haver fornecimento de 2 numerais, este também deverá ser colocado no peito do competidor).
 
19. Instruções para os competidores
19.1 Cada Chefe de Equipe deve receber instruções impressas ou escritas, pelo menos 5 horas antes do início da regata, contendo as seguintes informações:
a) Informação detalhada das raias e suas marcações;
b) Hora de largada;
c) Linha de largada;
d) Linha de chegada;
e) Numerais dos competidores;
f) Tipo de controle dos barcos;
 
20. Protestos
20.1 Um protesto contra o direito de uma tripulação de participar de uma prova deve ser dirigido ao Juiz Principal até uma hora antes da largada da prova. Um protesto feito após - dentro de 30 dias da data da prova em questão- só é permitido se a entidade que fez o protesto poder provar que os fatos nos quais estejam baseados o protesto só chegaram ao seu conhecimento após uma hora antes do início da prova.
 
20.2 Um protesto retardatário deve ser dirigido ao Comitê de Velocidade da CBCa, acompanhado da taxa prescrita (veja abaixo).
 
20.3 Um protesto feito durante uma competição deve ser dirigido ao Comitê da Competição e entregue ao Árbitro Principal até 20 minutos após o chefe de equipe ter sido informado da decisão contra o competidor ou equipe e tenha assinado dando como recibo.
 
20.4 Todo protesto deve ser feito por escrito e estar acompanhado de uma taxa de 50 reais. A taxa será devolvida se o protesto for acatado.
 
21. Apelação
O competidor tem o direito de apelar à CBCa através de sua entidade, contra uma decisão do Comitê de Competição, dentro de 30 dias da realização da prova. A apelação deve ser endereçada ao STJD, a quem cabe a pronunciar a decisão final.
 
22. Pontuação
22.1 As provas oficiais valerão pontos, que somados, indicarão o vencedor por equipe. A tabela de pontos está desta forma definida:
1º lugar 10 pontos
2º lugar 06 pontos
3º lugar 04 pontos
4º lugar 03 pontos
5º lugar 02 pontos
6º lugar 01 ponto
 
22.2 Para o Campeonato Brasileiro, e Copa Brasil serão consideradas as seguintes categorias:
K1 escola Infantil Masculino e Feminino
K1 // K2 // K4 Menor Masculino e Feminino
K1 // K2 // K4 Cadete Masculino e Feminino
K1 // K2 // K4 Júnior Masculino e Feminino
K1 // K2 // K4 Sênior Masculino e Feminino
K1 // K2 // K4 Master Masculino e Feminino
K1 // V1 A Masculino e Feminino
K1 // V1  TA Masculino e Feminino
K1 // V1 LTA Masculino e Feminino
C1 // C2 // C4 Cadete Masculino
C1 // C2 // C4 Júnior Masculino
C1 // C2 // C4 Sênior Masculino
C1 // C2 //  Master Masculino
C1 // C2 // Open Feminino
 
22.3 Para que a prova seja válida para a pontuação final, é preciso haver no mínimo três embarcações inscritas, participando do evento. Caso este número não seja atingido, o atleta pode competir na categoria imediatamente superior.
OBS: Destaca-se o item 14, o qual prevê punição às embarcações não canceladas até o prazo.
 
22.4 Caso o número mínimo seja alcançado (03), é preciso ainda que estejam inscritas no mínimo duas associações para validarem na pontuação final. Se isto não ocorrer, a prova pode ser realizada, porém não pontua.
 
22.5 Serão permitidas no máximo duas inscrições por entidade por prova.
 
22.6 Atletas da categoria infantil não podem competir em outra categoria.
 
22.7 Atletas das categorias menor e cadete só poderão ser inscritos em dois eventos por dia de competição
 
22.8 Um atleta não pode competir em duas categorias de idade em um mesmo Campeonato
 
IV. REGULAMENTO DAS PROVAS
23. Desqualificações
23.1 Qualquer competidor que tente ganhar uma prova por qualquer outro meio que não sejam meios honrosos, ou que quebre o regulamento das provas, ou desobedeça a natureza honrada do regulamento das provas deve ser desqualificado pela duração da prova em questão.
 
23.2 Caso um competidor complete uma prova em um caiaque ou uma canoa que não esteja conforme as classificações da CBCa sob a inspeção, ele(a) será desqualificado da prova em questão.
 
23.3 É proibido receber, durante uma prova, ajuda externa, ou ser acompanhado por outros barcos ao longo da raia - mesmo em faixas externas - ou atirando objetos da na raia. Todos estes atos devem levar à desqualificação do(s) respectivo(s) competidor(es) ou dos infratores.
 
23.4 Não serão permitidos competidores remando sentados nas Canoas (C1, C2 ou C4). Esta ocorrência é motivo de desqualificação técnica.
 
23.5 Todo competidor que dirigir-se a outro competidor, árbitro, técnico ou espectador de forma desrespeitosa, ofensiva ou agressiva imediatamente antes, durante ou logo após o término de sua prova, é passível de desqualificação.
 
23.6 Todas as desqualificações feitas pelo Comitê da Competição têm de ser confirmadas por escrito imediatamente com as razões. O chefe de equipe deve assinar o recebimento de uma cópia com a hora exata, que é a hora da partida para o prazo de protesto.
 
23.7 O STJD - canoagem é responsável por analisar os casos ocorridos nos campeonatos, ou em virtude destes, julgá-los e aplicar as sanções cabíveis a cada situação.
 
24. Meios de propulsão
24.1 Os caiaques são propelidos apenas por meio de remos de duas pás.
 
24.2 As canoas canadenses são propelidas apenas por meio de remos de pá única.
 
24.3 Os remos não podem ser fixados nas canoas por qualquer meio. Se um remo é quebrado durante a prova, o competidor não pode receber outro de um apoiador.
 
25. Baterias e finais
25.1 Pelo menos três caiaques ou canoas devem estar inscritos antes que cada prova se inicie. Se o número de inscrições, em provas até incluindo 1000 metros, for tão grande que sejam necessárias baterias, o número de caiaques ou canoas em cada bateria e na final não deve exceder 9 (nove).
 
25.2 A divisão dos competidores em baterias deve ser determinada o pelo sorteio de grupos. Oito ou nove caiaques ou canoas podem participar na final se um número maior que este estiver inscrito na prova toda, como se segue:
a) 3 a 9 inscrições, direto para a final;
b) 10 a 14 inscrições, duas baterias, três de cada para a final, o resto para uma semifinal e três da semifinal para a final;
c) 15 a 27 inscrições, o número necessário de baterias é de três semifinais. Dois de cada para a Final e três da semifinais para a final;
 
25.3 A divisão em baterias deve ser feita de forma que pelo menos três competidores de cada bateria precedente prossigam para a final (ou semi- final).
 
25.4 Ao fazer o sorteio, a diferença entre o número de competidores nas baterias de uma prova não deve exceder a um. Se o número de competidores nas baterias varia, as baterias anteriores serão as de maior número.
 
25.5 Qualquer tripulação que não tenha tomado parte numa bateria conforme tenha sido instruída, não terá permissão de competir na final.
 
25.6 A composição de uma tripulação que tenha sido classificada para uma semifinal ou final não pode ser mudada.
 
25.7 Para as provas de mais de 1000 metros, não devem ser realizadas baterias e todos os barcos participantes devem largar simultaneamente. Caso a largura da raia no permita uma largada simultânea, são permitidas largadas em intervalos regulares.
 
26. Largada
26.1 Os grupos devem ser sorteados para determinar as posições dos barcos na largada. O número um deve ser colocado à esquerda, em seguida o número dois e assim por diante. O Nível Técnico também pode ser utilizado como fator determinante.
 
26.2 Os competidores devem estar na área de largada a tempo de permitir uma preparação satisfatória para a largada. A largada deve ser dada pontualmente sem referência a qualquer ausente. O árbitro de largada não precisa esperar pelo alinhamento de uma embarcação que não demonstra habilidade suficiente para tanto.
 
26.3 A posição dos barcos na largada deve ser tal que as proas alinhem- se com a linha de largada.
 
26.4 Os barcos devem estar parados e alinhados.
 
26.5 Após o alinhamento, o Árbitro de Largada deve chamar a atenção dos competidores para a largada com as palavras "ATENÇÃO, PRONTOS” e, quando julgar apropriado, ele deve dar o sinal de largada com um "TIRO", ou sinal acústico. O tiro, ou sinal, pode ser substituído pela palavra "VÁI" ou um silvo, dependendo da situação.
 
26.6 Se o árbitro de largada não estiver satisfeito com o alinhamento, ele pode chamar "PARE", e acenar para o Alinhador para proceder o reposicionamento.
 
26.7 Se o competidor larga remando na frente depois da palavra "ATENÇÃO " e antes do tiro, ele queimou a largada.
 
26.7.1 O Árbitro de Largada deve imediatamente sinalizar com dois silvos seguidos e advertir o competidor faltoso. Se duas queimas de largada são feitas pelo mesmo competidor, o árbitro de Largada deve excluí-lo da prova. Uma advertência e desclassificação subsequente pelo árbitro de Largada aplica-se somente ao barco/competidor que provocou a queima de largada.
 
27. Interrupções
27.1 O árbitro Auxiliar tem o direito de interromper uma prova largada corretamente se impedimentos ou imprevistos surgirem. Tal interrupção pode ser sinalizada pelos árbitros de percurso com uma bandeira vermelha e um sinal sonoro. Os competidores devem parar imediatamente de remar e aguardar outras instruções.
 
27.2 Se uma prova é declarada nula e inválida, não é permitida qualquer mudança na tripulação para a próxima largada.
 
28. Percurso, marcação de ritmo
28.1 Não é permitido marcar o ritmo ou receber assistência de barcos que não estejam na prova ou através de qualquer outro meio.
 
28.2 Quando uma prova está se desenrolando as tripulações não participantes estão terminantemente proibidas de se locomover na raia, no seu todo ou em parte, mesmo fora das marcações das bóias.
a) Provas até 1000 metros
Em provas até 1000 metros, os competidores devem manter o centro de sua faixa do início ao fim da raia. Nenhum competidor deve aproximar-se mais do que 5 metros, em qualquer direção, do outro. Se uma embarcação deixa o centro de sua raia e não retorna imediatamente ao centro, poderá ser desclassificada.
Uma embarcação que deixa a sua raia deverá ser desclassificada da prova.
No caso de capotamento do barco, a embarcação será desclassificada da prova.
b) Corridas de mais de 1000 metros.
Em corridas de mais de 1000 metros, os competidores podem desviar- se da faixa, desde que não impeçam os outros.
Em provas de longa distância todos os competidores devem ser advertidos por um sinal sonoro (por ex.: um sino), quando ultrapassarem um ponto distante 1000 metros da linha de chegada.
No caso de capotamento o competidor ou tripulação é eliminado da prova se ele ou eles não forem capazes de entrar no barco sem ajuda externa.
 
29. Curvas
29.1 Quando uma prova é corrida numa raia com pontos de retorno, estes deverão ser passados por bombordo (isto é, no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio)
 
29.2 Ao virar um ponto de retorno, o competidor na faixa externa deve proporcionar espaço para o competidor na faixa interna se este tem a proa do seu barco pelo menos alinhada com a extremidade da frente da cabina do barco na faixa externa. Com relação a K2 e K4, isto refere-se à cabina de proa. Com respeito a C1, isto refere-se ao nível do corpo do competidor, e para C2, isto refere-se ao nível do corpo do membro da tripulação mais à proa
 
29.3 Um competidor não pode ser desclassificado por tocar uma bóia de virada, a menos que, na opinião dos Juizes Auxiliares da Bóia de Retorno, daí tenha se obtido uma vantagem. Ao fazer uma curva, o barco deve seguir o mais próximo possível a raia, conforme marcação das bóias nos pontos de retorno
 
30. Ultrapassagem
30.1 Quando uma canoa ou caiaque está ultrapassando outra canoa ou caiaque durante uma prova, é obrigação da embarcação que ultrapassa manter distância do barco ultrapassado durante todo o tempo.
 
30.2 Por outro lado, não é permitido à embarcação que está sendo ultrapassada alterar seu curso para dificultar a embarcação que ultrapassa
 
31. Abalroamento ou dano
Qualquer competidor que seja responsável por uma colisão ou que danifique a canoa ou caiaque ou remo de outro pode ser desclassificado e ser chamado a ressarcir os danos provocados.
 
32. Chegada
32.1 O barco termina a prova quando sua proa cruza a linha de chegada com todos os membros da tripulação dentro
 
32.2 Se dois ou mais barcos chegam juntos a linha de chegada ao mesmo tempo, eles recebem a mesma classificação no final. Em caso de uma bateria que determine o avanço para o próximo nível da competição, são aplicáveis as seguintes regras:
a) Sempre que houver número suficiente de faixas disponíveis no próximo nível de competições, o sorteio de grupos determinará para qual prova estes barcos avançarão. Se for possível, poder-se-á usar também a faixa número 10.
b) Sempre onde não houver número suficiente de faixas disponíveis, haverá uma nova prova entre os barcos envolvidos, uma hora após a última prova do dia, ou programa de meio dia.
c) No caso de um novo empate numa nova prova, o sorteio determinará o resultado.
 
Confederação Brasileira de Canoagem
 
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
 
Regras Gerais (arquivo antigo válido até Nov/13)
Governo do ParanáSaneparJMaluceliBolsa AtletaComitê Olímpico Brasileiro Comitê Paralímpico Brasileiro International Canoe Federation Internation Rafting Federation Pan American Canoe Federation Confederacion Suramericana de Canotaje Banco Nacional do Desenvolvimento Lei de Incentivo ao Esporte GE Itaipu Binacional Governo Federal
Confederação Brasileira de Canoagem

Rua Monsenhor Celso, 231 - 6º andar - Centro - Curitiba - PR - CEP 80010-150
Telefone 41 3083 2600 - Fax 41 3083 2699
Apycom jQuery Menus BNDES Facebook Flickr Youtube Google +