História
A Paracanoagem está inserida dentro das modalidades da Confederação Brasileira de Canoagem e é realizada por pessoas com deficiência.
 
A modalidade realizada em alto rendimento e reconhecida pela CBCa é disputada em águas calmas e em distâncias de 500m e 200m, por pessoas com deficiência física. As provas podem ser abertas a outros tipos de deficiências, porém como forma de exibição. As provas que contenham deficientes físicos dentro de outras modalidades da CBCa são tratadas como canoagem adaptada e qualquer especificidade desta modalidade poderá ser ajustada apenas pelo Comitê responsável.
 
Dentro do contexto histórico, a modalidade apresentou significativa evolução em termos físicos, técnicos e estruturais. Esta evolução pode ter relação com o fato que dentro do caiaque existe uma igualdade de condições de possibilidades, liberdade para locomoção, sendo que o desempenho técnico e físico depende exclusivamente da própria pessoa. Logo, podemos dizer que dentro de um caiaque as deficiências não aparecem ou são reduzidas.
 
O praticante pode usar adaptações que auxiliem a sua pratica, tanto para melhorar sua segurança quanto para melhora técnica de acordo com sua funcionalidade, não podendo haver adaptações que influenciem diretamente na velocidade da embarcação.
 
A Paracanoagem pode servir para lazer, recreação e/ou competição. Observando-se alguns aspectos de segurança e tendo um conhecimento das especificidades da deficiência e as adaptações necessárias todo clube, associação ou escola de canoagem pode atender a este público.
 
O trabalho realizado na iniciação da canoagem para pessoas com deficiência tem como um dos principais objetivos contribuir para que o indivíduo alcance a maior autonomia possível durante a prática desse esporte. Assim, com a criação de hábitos e costumes adquiridos na aprendizagem, busca-se que a pessoa, de forma independente, entre e saia do caiaque, realize seu treino na água, com a menor ajuda possível de terceiros.
 
Concomitante a esta autonomia, observa-se a possibilidade do acesso das pessoas com deficiência à prática desportiva, despertando o gosto pelo.
Neste contexto, a Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), criou em 26 de março de 1995, conforme a ata n.º 14, o Comitê Nacional de “Paracanoagem”.
 
Anos após esta criação, em outubro de 1999, tivemos um marco na história da, ainda chamada Canoagem Adaptada. A Associação Ecológica de Canoagem e Vela de Belém participou do XV Campeonato Brasileiro de Canoagem, e neste campeonato, o então técnico e Professor Evaldo Malato e Professor Carlos Alberto Gonçalves, trouxeram uma equipe de pessoas com deficiência, acontecendo assim a primeira participação de uma equipe de pessoas com deficiência na canoagem.
 
Em maio de 2000, na Represa São Miguel, Caxias do Sul (RS) a Paracanoagem tornou-se efetivamente organizada, com atendimento específico. O professor Getúlio Vazatta, então  presidente do Centro Integrado do Portador de Deficiência Física (CIDeF), teve a idéia de formar uma equipe de Paracanoagem aproveitando os atletas que participavam dos treinos de basquete em cadeira de rodas.
 
Da então reduzida,mas consolidada participação de atletas de Paracanoagem em eventos de Canoagem Velocidade em âmbito nacional, surgiram as primeiras participações em evento internacionais. E em 2009, Sebastião Abreu conquistou a primeira medalha da modalidade em Campeonato Mundial.
 
No ano seguinte, histórico para a modalidade, novos atletas surgiram, participando do Campeonato Mundial: Carlos Roberto Tavares (Bebeto), Fernando Fernandes, José Agmarino, José Fernando e Marta Ferreira. Neste evento na Polônia, o Brasil conquistou as duas primeiras medalhas de ouro, com Fernando Fernandes de Padua e Marta Santos Ferreira.
 
Já no dia 11/12/2010, a Paracanoagem teve a mais importante notícia em sua, até então, breve e recente história. Em reunião do Comitê Paralímpico, na China, sete modalidades disputavam o direito de fazer parte das Paralimpiadas a partir dos Jogos do Rio 2016: badminton, canoagem, golf, futebol em cadeira de rodas motoriza, taekwondo, triatlo e basquete para pessoas com deficiência intelectual. Destas, somente o triatlo e a canoagem conseguiram a tão esperada participação.
 
A Paracanoagem juntou-se a outras 21 modalidade nos Jogos Paralímpicos Rio-2016: triatlo, tiro com arco, atletismo, bocha, ciclismo, hipismo, futebol de 5, futebol de 7, goalball, judô, halterofilismo, remo, vela, tiro esportivo, natação, tênis de mesa, vôlei sentado, basquete em cadeira de rodas, esgrima em cadeira de rodas, rúgbi em cadeira de rodas e tênis em cadeira de rodas.
 
Desde então o Brasil vem participando de todos os Campeonatos Mundiais. Sempre estando entre os cinco melhores países, enquanto no continente americano, o Brasil demonstra hegemonia, consagrando-se constantemente Campeão da Paracanoagem Sul-americana e Pan-americana.
 
Em 2015 ,outro fato histórico repercutiu e alterou o cenário da modalidade, foi quando ocorreu a alteração no sistema de Classificação Funcional, deixando de existir as categorias LTA, TA e A. Seguindo as Normas do IPC e sob  o comando do "Chair" da Paracanoagem Internacional, as pesquisadoras Anna.Bjerkefors (SWE) e Johanna Rosen (SWE) e um grupo de Classificadores Internacionais Diego Doga (ITA), Julie Gray (GBR) e a brasileira Maria de Fátima Fernandes Vara reescreveram a Classificação Funcional da Canoagem, toda baseada em evidências da Confederação Internacional de Canoagem (https://www.canoeicf.com/classification)
 
E então chegou o esperado momento. Os Jogos Paralímpicos Rio 2016, quando o Brasil se mobilizou para, por meio do esporte ou paradesporto, demonstrar que o país pode alcançar patamares maiores que os já atingidos até então.
 
A Paracanoagem brasileira foi representada por cinco atletas: Caio Ribeiro de Carvalho, Igor Alex Tofalini, Luis Carlos Cardoso da Silva, Mari Christina Santilli, Debora Raiza Benevides.
 
Caio Ribeiro de Carvalho, após conquistas de medalhas nos Campeonatos Mundiais 2013 e 2015 na Canoa V1, teve que se readaptar e iniciar uma nova técnica, no caiaque. Este atleta, após a quarta colocação no Campeonato Mundial de Duisburg 2016 (competição que o levou para os Jogos Paralímpicos Rio 2016, sua casa), conquistou a medalha de bronze para o Brasil, levando todo o público que acompanhava a Paracanoagem na Lagoa Rodrigo de Freitas ao delírio.
 
A Paracanoagem Brasileira tem um Planejamento Estratégico, que almeja chegar em 2024 com mais de 130 participantes em eventos nacionais e tornando o país referência no cenário internacional.
Governo do ParanáSaneparJMaluceliBolsa AtletaComitê Olímpico Brasileiro Comitê Paralímpico Brasileiro International Canoe Federation Internation Rafting Federation Pan American Canoe Federation Confederacion Suramericana de Canotaje Banco Nacional do Desenvolvimento Lei de Incentivo ao Esporte GE Itaipu Binacional Governo Federal
Confederação Brasileira de Canoagem

Rua Monsenhor Celso, 231 - 6º andar - Centro - Curitiba - PR - CEP 80010-150
Telefone 41 3083 2600 - Fax 41 3083 2699
Apycom jQuery Menus BNDES Facebook Flickr Youtube Google +