História
HISTÓRIA

A organização em 2007, durante os Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro, de um evento de promoção do Va’a no Brasil, sob a supervisão da Confederação Brasileira de Canoagem, foi o marco para que o esporte se tornasse oficial no país.

Desde 2004, a Federação Internacional de Va'a promove uma aproximação com a Federação Internacional de Canoagem como o objetivo de consolidar o Va'a como futura modalidade olímpica e vem recomendando que os países membros se aproximem dos seus Comitês Olímpicos e promovam eventos demonstrativos.

“Vamos trabalhar forte agora em mais uma modalidade de canoagem dentro da CBCa. Se levarmos em conta que hoje existem mais de 26 Clubes de Va´a espalhados apenas dentro do Brasil e o crescente interesse mundial pelo esporte, podemos considerar que o Va´a chega com enorme potencial de consolidação na CBCa”, argumentou o presidente da Confederação Brasileira de Canoagem, João Tomasini Schwertner. 

A história do Va´a no Brasil começou em setembro de 1994, quando o brasileiro Ronald Williams, de férias no Brasil após competir na Califórnia, iniciou seus primeiros contatos no intuito de trazer o Va´a, ou canoagem polinésia, para o país. Na ocasião, Ronald treinava e competia pelo False Creek Racing Canoe Club, renomado clube de canoagem em Vancouver, Canadá.

“De lá pra cá, com o crescimento exponencial do esporte no Brasil, os responsáveis de vários clubes e organizadores de competições manifestaram a preocupação em criar instâncias de supervisão do esporte, pensando especificamente na segurança dos praticantes”, contou Nicolas Bourlon, representante brasileiro na Federação Internacional de Va'a desde 2003 e indicado pela Diretoria da CBCa no Comitê.

Estima-se que hoje o Va´a seja praticado por até 25 mil pessoas na Polinésia Francesa, onda é tão popular quanto é o futebol no Brasil. No Havaí são cerca de 10 mil praticantes. O esporte também é muito popular na Austrália e Nova Zelândia, onde existem aproximadamente 5 mil esportistas.  Hoje, no Brasil, estima-se que há mais de mil praticantes regulares de Va´a espalhados por oito estados (Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo).

Além do crescente interesse brasileiro pelo Va´a, o esporte não possui nenhuma contra-indicação ou treinamento de alto desempenho para a sua prática, e existem algumas embarcações do Va´a, como o V12 por exemplo, onde até doze pessoas podem remar juntas.

“O Va´a se diferencia, por exemplo, do remo por não exigir qualquer treino específico para que se possa iniciar sua prática. O trabalho em equipe promove a integração e a sincronia entre seus praticantes, pois cada indivíduo tem uma função distinta e cada posição na embarcação tem um papel de responsabilidade. É um esporte para ser praticado por toda a família, inclusive pelas crianças e até mesmo pessoas na terceira idade”, explicou Nicolas Bourlon.

Governo do ParanáSaneparJMaluceliBolsa AtletaComitê Olímpico Brasileiro Comitê Paralímpico Brasileiro International Canoe Federation Internation Rafting Federation Pan American Canoe Federation Confederacion Suramericana de Canotaje Banco Nacional do Desenvolvimento Lei de Incentivo ao Esporte GE Itaipu Binacional Governo Federal
Confederação Brasileira de Canoagem

Rua Monsenhor Celso, 231 - 6º andar - Centro - Curitiba - PR - CEP 80010-150
Telefone 41 3083 2600 - Fax 41 3083 2699
Apycom jQuery Menus BNDES Facebook Flickr Youtube Google +