Confederação Brasileira de CanoagemItaipu Binacional

Notícias

Projeto social de Foz do Iguaçu emplaca seu primeiro atleta olímpico

01/08/2016

 

 

 

 

 

 

Projeto social de Foz do Iguaçu emplaca seu primeiro atleta olímpico

Revelado pela ação Meninos do Lago, parceria da Itaipu com a Federação Paranaense de Canoagem, Felipe Borges é o pioneiro do projeto paranaense nos Jogos. Trabalho na Fronteira tem ainda Ana Sátila

  • Rio de Janeiro
  •    
  •  
Felipe Borges se encontrou na canoagem aos 13 anos, por incentivo da mãe. | Albari Rosa/Gazeta do Povo

 Felipe Borges se encontrou na canoagem aos 13 anos, por incentivo da mãe. Albari Rosa/Gazeta do Povo

 

Desde que o filho se classificou para a Rio-2016 no mês passado, na última etapa da Copa do Mundo de canoagem slalom, na França, o taxista Auri Borges fala com orgulho para todos os passageiros que transporta em Foz do Iguaçu: “Meu filho está na Olimpíada”.

O orgulho tem motivo. Aos 21 anos, Felipe, é o primeiro atleta formado no projeto social Meninos do Lago – parceria da Hidrelétrica de Itaipu e da Federação Paranaense de Canoagem – a se classificar para os Jogos Olímpicos. O objetivo da ação é levar crianças carentes da rede municipal de ensino para treinar e, consequentemente, formar novos atletas.

CANOAGEM: saiba mais sobre o esporte

Ele e Ana Sátila, mineira criada no Mato Grosso, mas radicada na Tríplice Fronteira há cinco anos, vão representar o Paraná na modalidade, cujas provas começam quarta-feira (7), no Parque Radical de Deodoro.

Para tentar controlar o comportamento do filho, a mãe de Felipe, Isolde Borges, o pôs para treinar vários esportes. Futebol, atletismo, basquete, vôlei: em nenhum o menino se acertava. Até que aos 13 anos se encontrou na canoagem. “Se não fosse o Meninos do Lago, talvez eu teria tentado a sorte em outro esporte. Mas não sei se chegaria tão longe, como em uma Olimpíada”, afirma o canoísta da categoria K1 (caiaque individual) que após obter o índice na última etapa da Copa do Mundo, em julho, tatuou no braço os arcos olímpicos.

O maior significado de minha classificação para a Olimpíada é ser espelho para os integrantes do projeto [Meninos do Lago].

FELIPE BORGEScanoísta brasileiro

Felipe considera o projeto mais do que essencial para se tornar atleta. Sem ele, a família dele não teria condições de gastar cerca de R$ 15 para ir voltar dos treinos todos os dias. Tanto que o atleta espera se tornar exemplo para os outros 100 garotos que treinam no projeto. “O maior significado de minha classificação para a Olimpíada é ser espelho para os integrantes do projeto”, confia.

Sátila

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/08/02/Esportes/Imagens/Cortadas/canoagem 14 albari rosa-10219-k3AG-U20652595849FNH-1024x726@GP-Web.jpg
Após ser a mais nova atleta brasileira em Londres-2012, Ana Sátila vai para a segunda Olimpíada no Rio.Albari Rosa/Gazeta do Povo

Ana Sátila, que ocupa a quarta colocação do ranking mundial do K1 (prova individual do caiaque), treinava natação na infância. Aos 9 anos, a convite de um professor no clube em que nadava, foi para a canoagem, para desgosto inicial do pai, que competia em provas de natação. “No começo ele não gostou. Depois, foi até aprender do esporte para me ajudar no treino”, lembra.

Quando surgiu o convite para treinar em Foz, base da seleção brasileira de slalom, Ana tinha apenas 15 anos - ano seguinte, foi a atleta mais nova da delegação brasileira nos Jogos de Londres-2012. Pela pouca idade, a família impôs uma condição para a canoísta se mudar: a mãe, Marcia Helena, teria de ir junto.

Assim, a Confederação Brasileira de Canoagem (CBCA) acabou contratando Marcia para trabalhar na governança na pousada dos atletas. Na sequência, as duas irmãs também se mudaram para Foz – a mais nova, Almira, segue os mesmos passos e foi 16.ª colocada no último Mundial júnior.

“Sem minha família em Foz, seria tudo muito mais difícil. Eu acho que até chegaria à Olimpíada, mas com muita mais dificuldade”, afirma Ana, que também é sargento da Aeronáutica, dentro do projeto com atletas de alto rendimento das Forças Armadas.

Do técnico da seleção, o italiano Ettore Ivaldi, os dois arrancam elogios. “A Ana é o atleta que todo treinador quer ter, do tipo que tem que mandar parar de treinar”, afirma. “Já o Felipe é um garoto com muita margem para crescimento no esporte”, completa.

Saiba mais sobre a canoagem:


Canoagem

AGENDA

Local de Provas: Estádio de Canoagem Slalom (Slalom) e Estádio da Lagoa (Velocidade)

MEDALHAS EM LONDRES-2012

O JOGO

Existem dois tipos de embarcação para a prática da canoagem: canoas ou caiaques. São usados nos dois tipos de modalidades: velocidade e slalom.

Canoa

Não tem leme ou controladores de direção



Caiaque

Possui uma barra de direção na frente ligada por cabos a um leme na traseira.

 

 

 

 

Admin | Projeto Meninos do Lago | Desenvolvimento Carlos Henrique