Notícia
13/12/2017 01:12
Retrospectiva 2017: Paracanoagem, Canoagem Tradicional e Canoagem Maratona

Depois do encerramento do calendário oficial da Canoagem Brasileira reunimos para vocês o que aconteceu de mais importante nas modalidades que compõe o quadro da Confederação Brasileira de Canoagem. Neste texto você encontrará os principais resultados e metas atingidas na Paracanoagem, Canoagem Maratona e Canoagem Tradicional. 
 
Paracanoagem
 
A Paracanoagem Brasileira atingiu todas as metas de resultados estipuladas para este ano, terminando em primeiro lugar no Sul-americano e no Pan-americano, e com o quinto lugar geral no Mundial da modalidade disputado em agosto, na República Tcheca.
 
No Campeonato Mundial destaque para os atletas Luis Carlos Cardoso e Caio Ribeiro de Carvalho, evento em que ambos conquistaram duas medalhas e foram os grandes responsáveis por manter o Brasil em quinto lugar no ranking geral de medalhas da modalidade.
 
Já no Pan-americano, realizado em outubro, no Equador, o destaque também ficou por conta da participação feminina e de jovens canoístas na modalidade, onde o Brasil incentivou a participação de atletas como Geovane de Paula e Brenda de Almeida, que conquistaram ótimo resultados.
 
Em âmbito nacional dois pontos foram importantes para o desenvolvimento da modalidade: os cursos de Classificação Funcional e de técnicos que capacitaram aproximadamente 50 pessoas para a Paracanoagem Brasileira, corroborando com o planejamento estratégico da modalidade que visa formar e capacitar a base nacional para que cada vez se aproxime mais ao alto rendimento; e o Campeonato Brasileiro que bateu o recorde de participação com a presença de 59 atletas, sendo destes 19 mulheres, equivalendo ainda mais o desenvolvimento do esporte em ambos os gêneros.
 
Outros ponto extremamente importante no ano de 2017 foi a inclusão de mais três provas paralímpicas no quadro de Tóquio 2020: o VL3 masculino e o VL2 masculino e feminino se juntarão às outras seis categorias já existentes de caiaque, o que possibilita novas medalhas paralímpicas ao Brasil na próxima edição dos Jogos Olímpicos.
 
Por fim, a continuidade do Projeto de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento da Paracanoagem em Entidades de Prática (DAPEP) que beneficia 12 entidades a realizar ações de Paracanoagem em suas cidades almejando-se chegar a 20 em 2018 com a possibilidade de novos empréstimos de barcos à entidades que demonstrarem o desenvolvimento do esporte em suas regiões.
 
Para o supervisor do Comitê de Paracanoagem da CBCa, Leonardo Maiola, o ano de 2017 foi muito importante para a manutenção do trabalho realizado nos últimos anos pela Canoagem Brasileira. "Apesar de dificuldades enfrentadas nesse ano pós-Jogos (Rio 2016) observamos a capacidade dos nossos atletas em manter níveis avançados de treinamento”, destacou.
 
As metas para 2018 incluem os projetos de base que darão o suporte e sustenção futura à modalidade baseada no planejamento estratégico realizado pela Canoagem Brasileira. “A longo prazo esperamos estar entre os três melhores países da Paracanoagem em Tóquio 2020”, finalizou Maiola. 
 
 
Canoagem Tradicional


 
O potencial da prática da canoagem na região Amazônica é a grande missão esportiva da vida de Evaldo Malato, presidente da Federação de Canoagem do Estado do Pará. "Há centenas de anos enraizada na cultura brasileira, principalmente no Norte do país, a canoagem faz parte do dia-a-dia de inúmeras comunidades ribeirinhas. O potencial para descobrirmos um futuro talento aqui na região é imenso e nossa luta é transformar esse potencial em resultados no alto rendimento”, disse Malato que conseguiu há cinco anos tornar a modalidade Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial do Estado do Pará.
 
Neste ano a luta de Malato ganhou mais um aliado: a Faculdade de Educação e Tecnologia da Amazônia (FAM), que por meio da direção de Gessivaldo Ferreira, Helena Baptista e Toy Quaresma trabalham e desenvolvem na instituição cursos de formação de profissionais para atuação em projetos de implantação da Canoagem Tradicional na região.
 
Segundo o diretor-geral da FAM, Gessivaldo Ferreira, a intenção é tornar a FAM a primeira instituição de ensino da região Amazônica com esse tipo de trabalho. “Queremos aproveitar esse potencial da canoagem na região tornando-a uma disciplina curricular, mantendo uma equipe gestora e oferecendo a canoagem como uma opção pedagógica de ensino na região”, ressaltou.
 
O Ministério da Cultura (MinC) é outra entidade que acredita desenvolvimento da canoagem como esporte de alto rendimento. Em parceria com o Ministério dos Esportes (ME) e com a Fundação Nacional do Índio (Funai), foi iniciado este ano um projeto conjunto com o objetivo de levar indígenas brasileiros à competições esportivas internacionais, entre elas os Jogos Olímpicos de 2024. A ideia inicial é trabalhar com três modalidades: canoagem, tiro com arco e lutas. A iniciativa foi apresentada este ano ao ministro da Cultura, Roberto Freire.
 
Presente à reunião com o ministro, o presidente da Confederação Brasileira de Canoagem, João Tomasini Schwertner, informou que, inicialmente, a entidade irá doar, com patrocínio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), 15 canoas e caiaques para comunidades indígenas do Alto Xingu. Além disso, será enviado um profissional para capacitação de técnicos indígenas na modalidade. 
 
"O projeto é importante para integrar as duas culturas. Estamos pensando nos Jogos de 2024", informou. "Queremos dar condições para que os povos indígenas se qualifiquem e promovam o treinamento entre eles", completou Tomasini.
 
 
Canoagem Maratona


 
O ano 2016 terminou de forma promissora para a Canoagem Maratona, o Campeonato Brasileiro da modalidade teve um número menor de participantes, mas com um grande crescimento nas categorias de base e no Mundial teve um bom desempenho com um único brasileiro participante. O ano de 2017 começou com o objetivo de incentivar a prática da modalidade, principalmente das categorias de base.
 
No início do ano uma triste notícia para a Canoagem Brasileira em geral, mas que afetou principalmente a Canoagem Maratona. O paratleta e multicampeão José Agmarino de Jesus Coelho, o “Zecão”, foi vítima de um atentado contra sua vida e não resistiu. Zecão sempre foi um grande incentivador do esporte e um participante ativo da Canoagem Maratona, tendo conquistado uma medalha no Campeonato Mundial da modalidade em 2016. No Campeonato Brasileiro foi realizada uma homenagem ao atleta reconhecendo a importância do atleta para a Canoagem, dentro e fora da água.

A primeira competição da Canoagem Maratona do ano foi o Campeonato Sul-americano de Canoagem Maratona, que aconteceu em paralelo às competições de Canoagem Velocidade e Paracanoagem, em Paipa, na Colômbia. Os brasileiros estavam em ótima forma e conquistaram o maior número de medalhas, quatro de ouro e três de prata. Entre estas sete medalhas quatro foram conquistadas na categoria Júnior, evidenciando a renovação da modalidade.

O único evento nacional do ano foi o Campeonato Brasileiro, realizado em Brasília, que depois de um intervalo de nove anos voltou a ser sede de uma competição da modalidade. A competição contou com a participação de mais de 100 atletas com idades entre 11 e 65 anos e, para os melhores de cada categoria, valia vagas para o Campeonato Mundial da África do Sul. 

Segundo a Coordenadora da modalidade junto à CBCa, Bruna Muassab, uma das metas de 2017 era “promover um Campeonato Nacional que oferecesse condições para que a maior parte das equipes pudessem participar, envolvendo o maior número de atletas possível”. A meta foi alcançada, segundo a própria Bruna, que avaliou o evento como um sucesso “refletindo o esforço e trabalho dos clubes em desenvolver a modalidade”.

Em setembro a África do Sul reuniu os melhores atletas do mundo na modalidade para a realização do Campeonato Mundial de Canoagem Maratona e contou com a participação de sete brasileiros. A competição foi realizada no rio Umsunduzi, na cidade de Maritzburg em percursos com 11,8 e 22,6 km. Os brasileiros retornaram da competição mais importante do ano com duas medalhas de ouro, Luciano Pereira Lima, no ParaKL1 e Nayara Karin Falcão de Oliveira no ParaKL3. Essa foi a edição da competição com maior número de brasileiros desde 2010.

O planejamento para 2018 dá continuidade às metas propostas para este ano. Bruna Muassab explica “Seguimos buscando incrementar o número de praticantes da Canoagem Maratona, incentivando os clubes e buscando realizar eventos de qualidade a fim de motivar atletas e treinadores à dedicação ao esporte”.

Governo do ParanáSaneparJMaluceliBolsa AtletaComitê Olímpico Brasileiro Comitê Paralímpico Brasileiro International Canoe Federation Internation Rafting Federation Pan American Canoe Federation Confederacion Suramericana de Canotaje Banco Nacional do Desenvolvimento Lei de Incentivo ao Esporte GE Itaipu Binacional Governo Federal
Confederação Brasileira de Canoagem

Rua Monsenhor Celso, 231 - 6º andar - Centro - Curitiba - PR - CEP 80010-150
Telefone 41 3083 2600 - Fax 41 3083 2699
Apycom jQuery Menus BNDES Facebook Flickr Youtube Google +