Notícia
12/12/2016 00:12
Retrospectiva 2016: modalidades não-olímpicas também se destacaram esse ano
Confira como foi o ano do Caiaque Polo, Rafting e Canoagem Onda

O ano de 2016 foi um ano muito especial para a Canoagem Brasileira. Uma participação histórica nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e um reconhecimento nunca alcançado pelo esporte. Mas a CBCa é formada por um total de 12 modalidades, todas com seus planos e objetivos. Neste release iremos recordar o que foi feito no Caiaque Polo, no Rafting e na Canoagem Onda, neste ano de 2016.
 





 
Caiaque Polo
 
 
2016 começou com grandes expectativas para o Caiaque Polo, a indicação de um novo técnico da Seleção Brasileira da modalidade prometia crescimento e muita evolução técnica dos atletas da modalidade. O calendário do Caiaque Polo em 2016 contou com duas etapas do Campeonato Brasileiro, o Campeonato Mundial e o Sul-americano.
 
O Campeonato Brasileiro de Caiaque Polo foi realizado em duas etapas que também serviram como seletiva para a Seleção Brasileira: a primeira em Londrina – PR e a última em Brotas – SP. Equipes de todo o país, e uma equipe convidada da Argentina, competiram em busca do título nacional sob os olhares do novo técnico da seleção brasileira de Caiaque Polo, Ciro Nael Fasano Werner que dirigiu a 2ª seletiva para a Seleção Brasileira, em Brotas – SP.  No final da 2ª Etapa do Brasileiro, a equipe carioca São Polo repetiu o feito de 2015 e garantiu o título brasileiro.
 
No cenário internacional o objetivo era melhorar resultados anteriores, na Itália a expectativa era melhorar o resultado do último Mundial: o 21º lugar no mundial de 2014 na Normandia, na França. O Brasil foi o único país Sul-americano a participar e terminou a competição no 20º lugar geral. Por mais que a evolução nos resultados tenha sido tímida, os bons jogos contra a Campeã Mundial Itália, e dois empates contra a forte equipe da Irlanda evidenciaram a evolução técnica dos brasileiros. No Sul-americano a equipe brasileira também teve boas partidas mas não conseguiu alcançar a primeira colocação e terminou a competição com a medalha de prata.
 
Além de analisar o ano de 2016, o Supervisor de Caiaque Polo, Leonardo Colomera já começa a planejar o próximo ano. Segundo Leonardo os desafios da modalidade no próximo ano são a busca de novos atletas e a manutenção da evolução do esporte no Brasil. Os planos para o ano que vem são o estruturar o Campeonato Nacional, tornando-o mais atrativo e o desenvolvimento de equipes Femininas Sênior e Sub-21 e Masculina Sub 21.
 
 
Rafting
 
 
 
Em 2015 o Rafting Brasileiro conseguiu o hexacampeonato mundial no R6, o que concretizou os brasileiros como parte da elite do mundo no esporte. E depois de um ano desses, as expectativas para 2016 eram enormes. Estimular o desenvolvimento técnico das equipes brasileiras e conseguir novos atletas era essencial para que o Brasil continuasse em uma posição de destaque no cenário internacional da modalidade.
 
O calendário de 2016 teve dois Campeonatos Brasileiros, um R6 realizado em Socorro – SP e outro R4 em Brotas – SP, que valia como seletiva para o Campeonato Mundial realizado no segundo semestre. Na primeira competição nacional da modalidade no ano o nível técnico agradou a Supervisora Rebeca Fernandes, mas o que mais surpreendeu foi a adesão de novos atletas e novas equipes. No Campeonato Brasileiro R4, realizado em Brotas – SP a resposta dos atletas e das equipes também foi extremamente satisfatório e o nível técnico da competição foi maior do que nos anos anteriores, reforçando a ascensão do Rafting Brasileiro.
 
O crescimento técnico dentro do Brasil está rendendo frutos no exterior. No segundo semestre foi realizado o Campeonato Mundial de Rafting R4, nos Emirados Árabes Unidos, e o Brasil foi muito bem representado. Das 5 categorias disputadas, os brasileiros não chegaram ao pódio em apenas uma delas. Foram dois ouros (Open Masculino e Sub-23 Feminino), uma prata (Sub-23 Masculino) e um surpreendente bronze no Sub-19 Masculino, que treinou por apenas 6 meses antes da competição.
 
Segundo Rebeca as competições nacionais têm muita influência no desempenho das equipes participantes dos mundiais, por isso, para 2017 a modalidade “continuará investindo na qualidade das provas nacionais e selecionando os melhores rios para desenvolver e preparar as equipes, aproximando a exigência nacional com a exigência encontrada em mundiais”, sempre buscando o desenvolvimento técnico no âmbito nacional.
 
 
Canoagem Onda
 
 
O calendário de 2015 da Canoagem Onda foi realizado todo em Imbituba – SC, foram três etapas do Circuito Brasileiro e um Campeonato Sul-americano realizado com a participação de 4 países fora o Brasil. O sucesso do ano passado gerou grandes esperanças para o ano de 2016.
 
Este ano começou com uma alteração importante: o Supervisor Bruno Guazzelli, que estava a 3 anos na função, deu lugar ao paulista Alexandre Mattei. Alexandre assumiu a Canoagem Onda com o objetivo de ampliar o alcance da modalidade e conquistar novos competidores. Outro objetivo de Mattei era o de assumir um calendário de competições fixo para todo o ano.
 
A instabilidade econômica e política no Brasil afetou os planos da Canoagem Onda, que não realizou nenhum evento nacional. Em compensação em novembro foi organizado a primeira competição da modalidade sediada fora do Brasil. O Sul-americano de Canoagem Onda 2016 foi realizado em Lima, no Peru, e contou com a participação de atletas do Brasil, Chile, Argentina, Uruguai e Peru. O Brasil dominou a competição conquistando 16 medalhas: 6 de ouro, 4 de prata e 6 de bronze.
 
Para 2017 os desafios permanecem: criar um calendário de competições fixo e aumentar o alcance da modalidade dentro e fora do país e continuar crescendo, tanto em número de competidores quanto em nível técnico. Além disso, a fundação do Clube de Canoagem Onda Brasil, em São Francisco do Sul – SC, onde crianças poderão aprender as 3 modalidades de Canoagem Onda, será uma forma muito importante para a descoberta de novos talentos e renovação da modalidade.
 

Governo do ParanáSaneparJMaluceliBolsa AtletaComitê Olímpico Brasileiro Comitê Paralímpico Brasileiro International Canoe Federation Internation Rafting Federation Pan American Canoe Federation Confederacion Suramericana de Canotaje Banco Nacional do Desenvolvimento Lei de Incentivo ao Esporte GE Itaipu Binacional Governo Federal
Confederação Brasileira de Canoagem

Rua Monsenhor Celso, 231 - 6º andar - Centro - Curitiba - PR - CEP 80010-150
Telefone 41 3083 2600 - Fax 41 3083 2699
Apycom jQuery Menus BNDES Facebook Flickr Youtube Google +