Notícia
31/03/2017 01:03
Buscando novos Isaquias no Norte do Brasil
Faculdade de Educação e Tecnologia da Amazônia abraça causa da valorização e reconhecimento da Canoagem Tradicional

Depois dos Jogos Olímpicos Rio 2016, competição que o baiano Isaquias Queiroz encantou todo o Brasil conquistando três medalhas, foi que o Brasil descobriu a canoagem e assim o esporte ganhou fama e notoriedade. Contudo, de onde saiu um fenômeno como Isaquias outros também podem ser descobertos, como por exemplo o imenso potencial do Brasil para a canoagem.
 
Há centenas de anos enraizada na cultura brasileira, principalmente no Norte do país, a canoagem faz parte do dia-a-dia de inúmeras comunidades ribeirinhas. Conhecedor como poucos desses povos e profundo incentivador da canoagem na região o presidente da Federação de Canoagem do Estado do Pará, Evaldo Malato, conseguia cinco anos atrás tornar a modalidade Patrimônio Cultural de Natureza Imaterial do Estado do Pará, em projeto que recebeu pareceres favoráveis das comissões de Constituição e Justiça e de Educação.
 
A Canoagem Tradicional, também inserida na Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa), é uma modalidade que veem crescendo e ganhando forte e reconhecimento no Norte do Brasil. “Depois de tornar a modalidade patrimônio cultural nós lutamos há vários anos em colocar a Canoagem Tradicional na grade curricular das escolas de toda as comunidades ribeirinhas da região”, explicou Malato.
 
A luta em tornar a Canoagem Tradicional um esporte com reconhecimento nacional começou há quase duas décadas atrás com Evaldo Malato, principal entusiasta e difusor da modalidade no Brasil. “Nossa luta é transformar o imenso potencial da canoagem na região norte em atletas de alta performance. Queremos descobrir aqui também novos Isaquias (medalhista olímpico brasileiro)”, argumentou Malato.
 
Ganhando aliados
Recentemente a luta ganhou mais um aliado: a Faculdade de Educação e Tecnologia da Amazônia (FAM), que por meio da direção de Gessivaldo Ferreira, Helena Baptista e Toy Quaresma já trabalham e desenvolvem na instituição cursos de formação de profissionais para atuação em projetos de implantação da Canoagem Tradicional na região.
 
Segundo o diretor-geral da FAM, Gessivaldo Ferreira, a intenção é tornar a FAM a primeira instituição de ensino da região Amazônica com esse tipo de trabalho. “Queremos aproveitar esse potencial da canoagem na região tornando-a uma disciplina curricular, mantendo uma equipe gestora e oferecendo a canoagem como uma opção pedagógica de ensino na região”, ressaltou.
 
A iniciativa agora busca localidades para a implantação e desenvolvimento da Canoagem Tradicional como forma de inclusão social e profissional da população da região. “A Canoagem Tradicional tem suas origens nos povos ribeirinhos que utilizam canoas há centenas de anos na região. O que buscamos e advogamos é a luta pelo reconhecimento e valorização dessa modalidade que desde o descobrimento do nosso Brasil é praticada. Sonhamos com o dia que tornaremos o Norte o maior celeiro de canoístas do país”, finalizou Malato.

Governo do ParanáSaneparJMaluceliBolsa AtletaComitê Olímpico Brasileiro Comitê Paralímpico Brasileiro International Canoe Federation Internation Rafting Federation Pan American Canoe Federation Confederacion Suramericana de Canotaje Banco Nacional do Desenvolvimento Lei de Incentivo ao Esporte GE Itaipu Binacional Governo Federal
Confederação Brasileira de Canoagem

Rua Monsenhor Celso, 231 - 6º andar - Centro - Curitiba - PR - CEP 80010-150
Telefone 41 3083 2600 - Fax 41 3083 2699
Apycom jQuery Menus BNDES Facebook Flickr Youtube Google +